FB Pixel
Guia: Vivendo como HIV Positivo na Austrália

Guia: Vivendo como HIV Positivo na Austrália

Saúde é um assunto muito importante a ser considerado ao migrar para outro país. Para quem vive como HIV Positivo essa questão é ainda mais crucial. Por isso a Tagarela preparou um guia completo sobre viver como soropositivo na Austrália.

Antes de chegar – Vistos temporários:

É comum que exista a dúvida se a condição de soropositivo pode afetar o processo de aprovação de um visto para a Austrália. E a boa notícia é: não existe nenhuma restrição para pessoas soropositivo aplicarem para um visto temporário para a Austrália.*

*O processo para vistos permanentes é um pouco mais trabalhoso e a gente explica um pouco sobre no final do texto.

Acesso a tratamento e medicação:

A Austrália conta com um sistema de saúde público universal e eficiente, o que significa que estudantes e pessoas em vistos temporários contam com os mesmos direitos que cidadãos quando se trata de acesso à saúde.

Existem clínicas especializadas em saúde sexual que disponibilizam suporte gratuito para pessoas soropositivo. Também é possível conseguir receita com um médico e adquirir a medicação por um valor acessível.

“O acesso a medicação aqui é bem tranquilo. A gente tem os mesmos direitos de quem é cidadão ou residente permanente. Então, eu pago $20 pelo frasco do medicamento que é uma dose única por dia. As receitas dão direito a comprar de 4 a 6 frascos, depende se você pega no hospital ou na farmácia. Eu particularmente prefiro pegar na farmácia,” contou um entrevistado a Tagarela (por questões de privacidade decidimos manter seu nome em anonimato). 

“Eu tenho uma vida normal, o tratamento não tem efeito colateral nenhum. É uma medicação super eficiente,” adicionou. 

A Thorne Harbour Health tem uma lista completa de clínicas de testagem e tratamento para HIV em todos os estados. É possível encontrar o local mais próximo de você nesse link.

Suporte emocional:

Outro ponto interessante de ressaltar é que existem uma série de programas voltados para dar suporte emocional a pessoas vivendo como soropositivo no país – incluindo para comunidades de imigrantes. Esses programas vão desde peer support, ou seja, poder falar com outra pessoa que também seja soropositivo, até apoio no tratamento e informação sobre o assunto.

A AFAO (Australia Federation of AIDS Organisations) disponibiliza um diretório com organizações que prestam serviços de apoio gratuitos em cada estado. Vale a pena conferir.

Sobre o visto permanente:

Já o processo para conseguir o visto permanente é um pouco mais complicado. A princípio, o visto é sempre recusado por medical grounds, mas é possível recorrer e reverter a situação para ter o visto aprovado. 

Tanto nos vistos de partner, quanto para o skilled visa é necessário pedir um health waiver e justificar que a sua condição de saúde não vai pesar para o sistema australiano.

A gente trouxe alguns relatos de pessoas que estão passando ou passaram por isso pra explicar um pouco como funciona:

Skilled visa 491: “O cenário para mim é bem positivo. Eu vou aplicar para o 491 no ano que vem. Eu já tenho experiência na minha área aqui e já tenho experiência no Brasil, então aparentemente não vai interferir no meu visto. Mas sempre tem aquele porém, a gente não sabe como funciona a imigração. A gente não pode mentir sobre a nossa condição de saúde. Daí você tem que pedir pelo health waiver e mandar uma carta do seu médico falando que você tá saudável para contribuir com o país”.


Partner visa 820/801: “Entrei com o Waiver sendo HIV positivo. Meu waiver foi aceito e visto  foi aprovado. Aprovaram os dois 820/801 ao mesmo tempo. Depois que demos entrada com o Waiver demorou 12 meses, e a única coisa que eles pediram a mais foi o Police Check e depois de 24hrs que mandei o Police Check, eles aprovaram o visto.


Partner visa 820/801: “Eu aleguei a dificuldade de se viver no Brasil. Mas o que eles querem é saber quanto dinheiro você tem pra se manter.  Desde 2009 sempre trabalhei, então sempre paguei imposto e sempre contribuí no super. A maioria das contas de Super tem insurance, tipo $250 mil dólares. Meu advogado usou isso, o fato de eu sempre trabalhar e muita mas muita conexão com a Austrália. Tive que ficar sócio de RSL, ajudar na comunidade, voluntariar, meu namorado é Australiano. Levamos uma testemunha amiga dele que ajudou bastante. Resumindo, tive que mostrar muitas conexões com esse país. Mostrei também que, pelo fato do meu namorado ser Australiano, e não falar Português seria muito difícil de a gente viver no Brasil. Tive que pesquisar casos de homofobia no Brasil. O grupo gay da Bahia tem números de homicídios em inglês Também usei o fato de eu estar tomando um medicamento HIV que é super novo e não tá disponível no Brasil.”


Partner visa 820/801: “As justificativas usadas são uma combinação dos skills que meu partner oferece pra Austrália e que se eu não tivesse o visto aprovado, e ele mudasse comigo para o Brasil, a Austrália perderia esses skills. Também usamos o fato de que nós dois trabalhamos e que mantemos plano de saúde particular para aliviar os custos do governo. Eu apliquei o partner visa em julho de 2018; em janeiro de 2020 me pediram os exames; fim de janeiro recusaram minha aplicação e me deram a chance de aplicar o health waiver; submeti o health waiver em fevereiro; e meio de agosto recebi o 820 Aprovado.”
Outra boa notícia é que recentemente a Nova Zelância removeu HIV da lista de condições médicas que barram a aprovação de vistos permanentes. Sendo assim, é possível que a Austrália faça o mesmo em breve.



Photo by Nadezhda Moryak from Pexels

Governo Federal anuncia a entrada de South West WA no DAMA

Governo Federal anuncia a entrada de South West WA no DAMA

Para suprir a falta de mão de obra qualificada em algumas regiões da Austrália, o governo criou o DAMA – Designated Area Migration Agreement. O acordo traz uma série de incentivos para que empregadores possam preencher vagas de trabalho com imigrantes.

Recentemente, a região de South West Western Australia foi adicionada ao programa, juntando-se a outras sete outras regiões da Austrália que fazem parte do acordo de cinco anos do DAMA.

O programa permite que negócios possam contratar migrantes para ocupações onde há falta de mão de obra especializada, através dos vistos de trabalho Temporary Skill Shortage (482) and Skilled Employer-Sponsored Regional (Provisional – 494). Ambos podem ser um caminho para a residência permanente na Austrália.

De acordo com o Ministro de Imigração, cidadania, serviços migratórios e multiculturalismo, Alex Hawke, existem mais de 74.000 vagas de emprego disponíveis na área regional da Austrália e o incentivo a imigração vai ajudar no crescimento dessas regiões.

No caso de South West Western Australia, partir de 2022, empreendimentos locais do Shire de Dardanup – incluindo os councils de City of Busselton, City of Bunbury, Shire of Capel, Shire of Collie, Shire of Augusta/Margaret River, Shire of Boyup Brook, Shire of Bridgetown/Greenbushes, Shire of Dardanup, Shire of Donnybrook/Balingup, Shire of Harvey, Shire of Manjimup e Shire of Nannup – poderão aplicar para fazer parte do DAMA e nomear ocupações que estão passando por escassez de mão de obra.

Segundo o presidente do Shire de Dardanup, Mick Bennett, a iniciativa representa ótimas notícias para a economia local e certamente irá encorajar imigrantes qualificados a viver e trabalhar na área regional de Western Australia.

Mudanças no tempo de espera para receber benefícios do governo

Mudanças no tempo de espera para receber benefícios do governo

Após obter o visto de residência permanente, é possível ter acesso a uma série de benefícios do governo australiano, como por exemplo, o Medicare e auxílios do Centrelink.

É importante lembrar, porém, que para alguns benefícios é necessário esperar um tempo mesmo depois de conseguir a residência  – é o chamado Newly Arrived Resident’s Waiting Period (NARWP).

Recentemente, o governo australiano anunciou algumas mudanças no tempo do NARWP, que passarão a valer para todos aqueles que receberem a residência permanente a partir de 01 de Janeiro 2022. 


Entenda quais são os benefícios afetados e qual será o novo tempo de espera:

  • Carer Payment: Auxílio destinado a pessoas que têm que cuidar constantemente de alguém com deficiência, doença severa ou idoso. O tempo de espera passou de dois anos (104 semanas) para quatro anos (208 semanas);
  • Carer Allowance: Pagamento para quem dá suporte adicional para pessoas com deficiência, condições médicas ou idosos. O tempo de espera passou de um ano (52 semanas) para quatro anos (208 semanas);
  • Family Tax Benefit Part A: Auxílio destinado a famílias com filhos e é calculado pela quantidade de filhos que a família deve cuidar. O tempo de espera passou de um ano (52 semanas) para quatro anos (208 semanas);
  • Family Tax Benefit Part B: Esse benefício é destinado para pais solo, responsáveis ou avós que tem um dependente para cuidar. O tempo de espera foi estabelecido para quatro anos (208 semanas);
  • Parental Leave Pay: Pagamento de até 18 semanas de trabalho para o cuidador primário de um recém-nascido. O tempo de espera passou de dois anos (104 semanas) para quatro anos (208 semanas);
  • Dad and Partner Pay: Pagamento de até 2 semanas de trabalho para um segundo cuidador de um recém-nascido. O tempo de espera passou de dois anos (104 semanas) para quatro anos (208 semanas).

Uma vez que a legislação entrar em vigor, essas mudanças só irão afetar quem receber o visto de residência permanente a partir de 01 Janeiro 2022. Migrantes em situações vulneráveis, incluindo em situação financeira desfavorável, ainda poderão ter acesso aos benefícios mesmo antes do tempo do NARWP se eles se encaixarem na lista de exceções que já estão vigentes. 

Mais informações sobre o assunto podem ser encontradas no site do Department of Social Services (em Inglês). 

Quer tirar alguma dúvida sobre migração? Entre em contato com o nosso time da Tagarela Migration.

carolina@tagarelamigration.com.au


Photo by Nataliya Vaitkevich from Pexels

Governo anuncia suporte para o setor de educação internacional

Governo anuncia suporte para o setor de educação internacional

Mais de $37 milhões estarão disponíveis para apoiar as instituições de educação internacional mais afetadas pela COVID-19. Também foram anunciadas mudanças nos vistos para garantir mais flexibilidade para os que desejam retornar para a Austrália.

As medidas visam incentivar a entrada de novos estudantes internacionais no país não só no setor terciário – VET e Universidade – como também em cursos de Inglês, que chegaram a diminuir as matrículas em 71% desde agosto de 2019.

Outra prioridade é garantir o direito de trabalho para estudantes recém graduados que não puderam entrar na Austrália para terminar os estudos ou que aplicaram para o Temporary Graduate Visa (485) e não conseguiram entrar no país devido às restrições de fronteiras.


O pacote completo de incentivos inclui:

  • $27,8 milhões em isenção de taxas para instituições de ensino durante o ano de 2022, incluindo taxas para a Australian Skills Quality Authority (ASQA), a Tertiary Education Quality and Standards Agency (TEQSA), o Commonwealth Register of Institutions and Courses for Overseas Students (CRICOS) e a Tuition Protection Service (TPS) Levy,
  • Prorrogação da atual isenção da taxa para o FEE-HELP (sistema de financiamento para ensino superior e universidades públicas) até 31 de dezembro de 2022;
  • Um adicional de $9,4 milhões para o Fundo de Desenvolvimento de Inovação (Innovation Development Fund) como incentivo aos provedores privados de cursos de inglês para estudantes estrangeiros (ELICOS) que oferecerem cursos online e offshore.


As novas medidas para o Temporary Graduate Visa (485) incluem:

  • Os portadores do visto 485 que não puderam viajar para a Austrália como resultado das restrições de fronteira internacional da COVID-19 poderão solicitar um visto de substituição. Isto significa que aplicantes que tiveram o visto expirado em ou após 1 de fevereiro de 2020, podem solicitar um novo visto com a mesma duração de seu visto original;
  • Além disso, a duração do visto 485 irá passar de dois para três anos para alunos graduados em cursos de Mestrado. Graduados em cursos técnicos (VET) também serão elegíveis para dois anos de 485;
  • Estudantes também poderão reconhecer o tempo que passaram estudando online fora da Austrália para qualificar para o visto de Temporary Graduate (que exige que o aluno complete um curso australiano de no mínimo 92 semanas).


    Photo by Karolina Grabowska from Pexels
Section 48 bar: Mudanças para quem está na Austrália e teve um visto negado

Section 48 bar: Mudanças para quem está na Austrália e teve um visto negado

Boas notícias para quem já teve um visto negado, cancelado ou está em um bridging visa na Austrália.

Em 13 de Novembro 2021, o governo australiano fez uma emenda ao Migration Act 1958 para permitir que aplicantes afetados pela “Section 48 bar” possam aplicar para um skilled visa sem precisar sair da Austrália.


O que é a “Section 48 bar”?

A Section 48 faz parte do Migration Act 1958 e determina que aplicantes que tiveram um visto recusado ou cancelado não podem aplicar para outro visto de dentro da Austrália – salvo algumas exceções como o visto de partner ou vistos humanitários.

Isso quer dizer que para poder aplicar para um novo visto australiano, o candidato deveria sair da Austrália e esperar pela decisão do departamento de Home Affairs fora do país.


O que mudou?

A partir de agora, a Section 48 não será mais uma barreira para quem está na Austrália e deseja aplicar para os seguintes vistos:

  • Skilled Work Regional visa (subclass 491);
  • Skilled Nominated visa (subclass 190);
  • Skilled Employer Sponsored Regional visa (subclass 494).

Como resultado, candidatos para os vistos 491 e 190, não precisam mais demonstrar confirmação de que irão viajar para fora do país na hora de passar pelo processo de nomeação pelo estado (state nomination).

Agende sua consulta com a Tagarela Migration AQUI.

Saiba quais são os direitos de trabalho na Austrália de acordo com cada visto

Saiba quais são os direitos de trabalho na Austrália de acordo com cada visto

Você sabia? Os seus direitos de trabalho na Austrália podem variar dependendo do tipo de visto que você possui. É muito importante saber quais são eles para garantir que você está em regularidade com as regras. Por isso a Tagarela preparou um guia completo sobre horas de trabalho permitidas em alguns vistos populares. Confira:

  • Student visa (500): No visto de estudante, são permitidas 40 horas de trabalho a cada quinze dias – ou 20 horas por semana. O estudante pode trabalhar por horas ilimitadas durante o período de férias do curso.

*Durante o período de pandemia, alguns setores como hotelaria e turismo, supermercados, aged care e área da saúde removeram o limite de horas de trabalho para estudantes internacionais. Como as medidas são temporárias, vale checar o site do Departamento de Home Affairs para conferir as últimas atualizações.

  • Temporary graduate visa (485): Esse visto é concedido para estudantes internacionais que completarem um curso terciário de duração mínima de dois anos. Com ele, é possível trabalhar sem limite de horas por até cinco anos após a graduação.

  • Working Holiday/Work and Holiday visa (417/462): Esse visto é direcionado a pessoas entre 18 e 30 anos de alguns países que têm um acordo com a Austrália. Nele, os aplicantes tem a oportunidade de passar um ano no país viajando e trabalhando no país. Com o working holiday é possível trabalhar sem restrições de horas desde que não seja para um mesmo empregador por mais de seis meses. Também é possível estudar por até quatro meses. Para ser elegível para mais um ano de visto, é preciso fazer três meses de trabalho específico  – que incluem construção, cultivo de plantas, mineração e turismo, dependendo da região da Austrália onde o trabalho é feito.

  • Skilled Independent visa (189): Esse é um visto de residência permanente e permite horas de estudo e trabalho ilimitadas para aplicantes que tenham uma profissão em uma lista de ocupações relevante. A aplicação funciona através do sistema de pontuação do departamento de Home Affairs.

  • Skilled nominated visa (190): Assim como o 189, esse é um  é um visto de residência permanente e permite horas de estudo e trabalho ilimitadas para aplicantes que tenham uma profissão em uma lista de ocupações relevante. A diferença é que para poder aplicar é preciso enviar uma expressão de interesse e ver convidado pelo governo para se candidatar ao visto.

  •  Skilled Work Regional (491): Esse é um visto de trabalho voltado para áreas regionais da Austrália. Nele, o aplicante que tiver uma profissão em uma lista de ocupações relevante, tem o direito de trabalhar sem restrições de horas por até cinco anos. Depois de três anos neste visto, é possível aplicar para a residência permanente (191).

 

Skilled migration: Um guia completo de vistos disponíveis em áreas regionais

Skilled migration: Um guia completo de vistos disponíveis em áreas regionais

Você sabia? Existe uma série de vistos disponíveis para estudantes internacionais e profissionais qualificados em áreas regionais. A Tagarela preparou um guia completo com todas as informações e requisitos de cada um desses vistos. Confira abaixo:

  • Temporary Graduate Visa (485): Este visto é concedido para estudantes que completaram um curso terciário – Faculdade ou Cursos técnicos específicos – e permite que o aplicante trabalhe na Austrália sem restrições de horas depois da graduação. O visto é dividido em duas categorias:
    • Post-study stream: Destinado a estudantes que fizeram um curso de Bacharelado, Mestrado ou Doutorado em uma instituição australiana, independente da área profissional. A duração do visto varia entre dois e quatro anos dependendo do nível de qualificação do aplicante;
    • Graduate work stream: Concedido para estudantes internacionais que completaram um curso técnico de no minímo 92 semanas em uma ocupação relevante da lista de profissões de skilled migration. O visto tem duração de 18 meses e aplicantes devem passar pelo skills assessment da profissão escolhida;
    • As duas streams exigem os seguintes requisitos:
      • Ter menos de 50 anos de idade na data de aplicação do visto;
      • Ter aplicado e ter um visto de estudante concedido depois de 05 Novembro 2011;
      • Ter um visto válido;
      • Ter se graduado nos últimos seis meses antes da aplicação em um curso reconhecido pelo CRICOS;
      • Demonstrar evidência de que todos os aplicantes têm o seguro de saúde apropriado no momento da aplicação;
      • Demonstrar evidência de que o candidato aplicou para o atestado de antecedentes criminais (Australian Federal Police Check);
      • Provar nível de Inglês competente – nota geral 6 no IELTS com um mínimo de 5 em cada banda, ou equivalente.
  • Skilled regional visa (491): Esse é um visto que permite aplicantes que tenham uma profissão relevante da lista de ocupações possam viver, trabalhar e estudar na Austrália por cinco anos. Depois de três anos neste visto, é possível aplicar para a residência permanente. Também existem duas categorias nessa subclass:
  • State nominated: Os candidatos precisam registrar o interesse e serem convidados pelo estado para aplicar para o visto. Para ser elegível é necessário:
  • Ter até 45 anos na data que receberem o convite para aplicar para o visto;
  • Ter uma ocupação na lista de profissões relevantes para esse visto;
  • Ter um skills assessment válido – feito em até 3 anos antes da aplicação do visto;
  • Obter mais de 65 pontos no sistema de pontuação do departamento de Home Affairs;
  • Demonstrar evidência de que todos os aplicantes têm o seguro de saúde apropriado no momento da aplicação;
  • Provar nível de Inglês competente – nota geral 6 no IELTS com um mínimo de 5 em cada banda, ou equivalente.
  • Family nominated: Esse visto é destinado a familiares de aplicantes principais do visto 491 e é válido enquanto o visto do aplicante principal for vigente. Só é preciso comprovar os seguintes pontos para ser elegível:
  • Provar nível de Inglês funcional – nota geral 4.5 no IELTS com um mínimo de 4 em cada banda, ou equivalente.
  • Demonstrar evidência de que todos os aplicantes têm o seguro de saúde apropriado no momento da aplicação.
  • Skilled Independent visa (189): Esse é um visto que permite candidatos a aplicarem para a residência permanente na Austrália através do sistema de pontuação do Departamento de Home Affairs. É necessário ser convidado pelo governo para poder aplicar. Para ser elegível é necessário:
  • Ter até 45 anos na data que receberem o convite para aplicar para o visto;
  • Ter uma ocupação na lista de profissões relevantes para esse visto;
  • Ter um skills assessment válido – feito em até 3 anos antes da aplicação do visto;
  • Obter mais de 65 pontos no sistema de pontuação do departamento de Home Affairs;
  • Demonstrar evidência de que todos os aplicantes têm o seguro de saúde apropriado no momento da aplicação;
  • Provar nível de Inglês competente – nota geral 6 no IELTS com um mínimo de 5 em cada banda, ou equivalente.
  • Skilled Nominated Visa (190): Semelhante ao 189, esse visto permite a residência permanente para migrantes classificados como mão de obra qualificada pelo departamento de Home Affairs. A diferença está que o aplicante deve ser nomeado por um estado ou território para poder aplicar. É necessário cumprir com os seguintes requisitos para ser nomeado:
  • Ter até 45 anos na data que receberem o convite para aplicar para o visto;
  • Ter uma ocupação na lista de profissões relevantes para esse visto;
  • Ter um skills assessment válido – feito em até 3 anos antes da aplicação do visto;
  • Obter mais de 65 pontos no sistema de pontuação do departamento de Home Affairs;
  • Temporary Skilled Shortage Visa (482): Este é um visto destinado para certas ocupações que estão em demanda na Austrália e permite que um empregador nomeie um empregado para um visto de trabalho de até 4 anos na Austrália. Para obter este visto é preciso:
  • Ser nomeado para uma profissão da lista de demanda por um ‘sponsor’ aprovado;
  • Ter no mínimo dois anos de experiência na ocupação ou na mesma área pela qual o aplicante foi nomeado;
  • Completar o skills assessment relevante se necessário para profissão escolhida;
  • Provar o seguinte nível de Inglês – nota geral 5 no IELTS com um mínimo de 5 em cada banda, ou equivalente;
  • Trabalhar apenas para o empregador que te nomeou para o visto.
  • Employer nomination scheme (186): Este é um visto que permite a residência permanente por meio da nomeação de um empregador. Existem duas categorias dentro dessa subclass:
  • Temporary residence transition stream: Esse visto permite que um empregador indique para a residência permanente um trabalhador que já está no visto 482 há pelo menos três anos. Os requisitos são os seguintes:
  • Estar no visto 482 (ou 457) ou no Bridging visa A, B, ou C;
  • Ter trabalhado para o mesmo empregador por pelo menos três anos (full-time) enquanto no visto 482 (ou 457);
  • Ser nomeado pelo seu empregador que tenha sido aprovado como sponsor seis meses antes da aplicação do visto;
  • Ter até 45 anos de idade;
  • Provar nível de Inglês competente – nota geral 6 no IELTS com um mínimo de 5 em cada banda, ou equivalente.
  • Direct stream: Essa categoria permite que um empregador nomeie um candidato diretamente para a residência permanente se o cargo estiver na lista de ocupações relevantes. Para isso é preciso cumprir com os requisitos:
  • Ter uma profissão na lista de ocupações em demanda na Austrália;
  • Ter até 45 anos de idade;
  • Ser nomeado por um empregador aprovado;
  • Completar o skills assessment relevante se necessário para profissão escolhida;
  • Comprovar no mínimos três anos de experiência na ocupação nomeada;
  • Provar nível de Inglês competente – nota geral 6 no IELTS com um mínimo de 5 em cada banda, ou equivalente.
  • Skilled Employer Sponsored Regional (Provisional) visa (494): Este é um visto que permite um empregador nomear um funcionário para um visto de até cinco anos – com a possibilidade de aplicar para a residência permanente depois de três anos  – em áreas regionais da Austrália. Essa subclass também tem duas categorias:
  • Employer Sponsored stream: Essa categoria funciona através da nomeação por um empregador aprovado como sponsor pelo governo. Os requisitos para aplicar são os seguintes:
  • Ser nomeado para trabalhar em uma ocupação na lista de profissões relevantes;
  • Ter pelo menos três anos de experiência na ocupação nomeada;
  • Completar um skills assessment relevante (ao menos que alguma exceção se aplique);
  • Trabalhar apenas para o empregador que foi nomeado como seu sponsor (ao menos que alguma exceção se aplique);
  • Ter até 45 anos de idade;
  • Provar nível de Inglês competente – nota geral 6 no IELTS com um mínimo de 5 em cada banda, ou equivalente.
  • Labour agreement stream: Nessa categoria, empregadores podem ‘sponsorar’ um empregado através de um acordo de trabalho com o governo. Para isso, o empregador precisa provar que não há oferta no mercado australiano para suprir a demanda de mão de obra. Os requisitos para aplicar são os seguintes:
  • Ser nomeado para trabalhar em uma ocupação específica sob os termos de um acordo de trabalho (labour agreement);
  • Ter pelo menos três anos de experiência na ocupação nomeada;
  • Completar um skills assessment relevante (se especificado pelo labour agreement);
  • Trabalhar apenas para o empregador que foi nomeado como seu sponsor (ao menos que alguma exceção se aplique);
  • Ter até 45 anos de idade;
  • Provar nível de Inglês exigido de acordo com o labour agreement.

South Australia disponibiliza lista de profissões para aplicação de visto offshore

South Australia disponibiliza lista de profissões para aplicação de visto offshore

Boa notícia para quem está fora da Austrália e se planejando para vir para cá! 

O estado de South Austrália abriu uma lista de 70 profissões que estão disponíveis para aplicação do Skilled Migration Program (vistos 190 e 491) desde fora do país (offshore). A medida faz parte de uma iniciativa do governo de SA em resposta aos impactos da Covid e começou a valer desde 28 de Setembro de 2021.

O processo funciona de forma semelhante ao de aplicantes residindo na Austrália (onshore). As maiores diferenças estão no tempo exigido de experiência na área – que é de no mínimo 8 anos – e no nível de proficiência de Inglês requerido – que é equivalente à 7 ou mais em cada banda do IELTS.

Além disso, os candidatos precisam preencher com os requisitos do departamento de Home Affairs e específicos do estado para a ocupação escolhida. Uma vez que os aplicantes cumpram com os critérios mínimos, eles podem registrar o interesse (RoI) para receber uma nomeação do estado de South Australia para aplicar para o visto.

É importante lembrar que o processo para ser nomeado pelo estado é competitivo e não há garantia de que o registro de interesse leve a um convite de aplicação para o visto. Por isso é sempre bom conversar com um agente de migração para traçar uma estratégia e planejamento sólidos para se estabelecer na Austrália. 

Veja abaixo a lista completa com as 70 profissões que estão disponíveis para aplicação do Skilled Migration Program (vistos 190 e 491) desde fora do país (offshore):

NSW: Novas regras e lista de profissões (491 e 190)

NSW: Novas regras e lista de profissões (491 e 190)

Skilled Regional Visa

Subclass 491

O Skilled Work Regional(Provisional) visa (subclasse 491) é um visto temporário que permite que o solicitante more e trabalhe em uma área regional. No geral, após 3 anos nesse visto, morando e trabalhando em área regional, o solicitante se torna elegível para o visto Permanent Residence (SkilledRegional) visa (subclasse 191), que é um visto permanente sem restrições.

O governo do estado de New SouthWales (NSW) estabeleceu novas regras para nomear novos solicitantes para esse visto. A partir de agora, para ser considerado para esse visto, o solicitante deve se encaixar em uma das streams:

STREAM 1

Estar morando e trabalhando na área regional de NSW

  • Ter um skills assessment positivo de uma ocupação que se encontra na Stream 1 Combined Occupation List
  • Morar na área regional de NSW por pelo menos 12 meses e ter trabalhado na área regional na ocupação escolhida ou alguma ocupação diretamente relacionada por pelo menos 12 meses.

STREAM 2

Ter completado recentemente estudos em uma área regional de NSW

  • Ter um skills assessment de uma ocupação que se encontra na lista da área regional escolhida.
  • Ter finalizado um curso de acordo com os seguintes requisitos:
    • curso foi concluído nos últimos 24 meses em uma instituição de ensino localizada em uma área regional designada em NSW
    • estava morando na área regional de NSW enquanto completava os estudos
    • o curso atende aos requisitos do Australian Study Requirement (92 semanas); e
    • o curso está diretamente relacionada à ocupação indicada no skills assessment;

STREAM 3

Possuir uma ocupação em demanda na área regional de NSW

  • Ter um skills assessment de uma ocupação que se encontra na lista da área regional escolhida.
  • Estar morando em qualquer lugar na Austrália.

Subclass 190

O Skilled Nominated visa (subclass 190) já é um visto permanente sem restrições. Para poder ser elegível para esse visto, o solicitante deve ser primeiramente nomeado por um estado australiano.

Para poder receber a nomeação de NSW, o solicitante deve cumprir os seguintes requisitos:

  • Ter um skills assessment de uma ocupação que esteja na NSW Target Sector List
  • Ter menos de 45 anos de idade
  • Possuir no mínimo Competent English (por conta da competitividade do processo, é aconselhável que o aplicante apresente nota mais alta) ter pelo menos 65 pontos (por conta da competitividade do processo, atender aos requisitos mínimos de elegibilidade não garante que você será convidado)
  • Enviar o Expression of Interest
  • Estar atualmente empregado em NSW em uma ocupação diretamente relacionada a ocupação indicada no skills assessment OU
  • Residir genuinamente em NSW por um período mínimo de três meses

 

PERGUNTAS FREQUENTES

Qual o valor para aplicar para a nomeação de NSW?

O estado de NSW cobra $330 e o solicitante deverá pagar as taxas do Departamento quando receber o convite para aplicar para o visto. Além disso, pode existir os custos com traduções juramentada, prova de inglês, certificado de antecedentes criminais, exame médico, etc. Entre em contato com a nossa equipe para um orçamento personalizado.

Estou morando e/ou trabalhando em Sydney ou em outro estado ou território australiano. Eu posso registrar meu interesse na nomeação de NSW?

Sim. Se você está morando e/ou trabalhando em Sydney, ou outro estado ou território australiano, você pode registrar seu interesse na nomeação em NSW de acordo com o Stream 3.

Como funciona o processo de aplicação para o Subclass 491?

A nomination de NSW para o Skilled Work Regional (Provisional) visa (subclasse 491) agora é apenas por convite. Certifique-se de que você está qualificado para o visto Skilled Work Regional (subclasse 491) – marque uma consulta com a nossa equipe para confirmar a sua elegibilidade e traçar a melhor estratégia. Nós vamos preparar asua Expression of Interest e registrar o seu interesse na área regional de NSW de acordo com o stream indicado para o seu caso.

 

Agende sua consulta com a Tagarela Migration AQUI.

ACS – Pontos por experiência profissional TI

ACS – Pontos por experiência profissional TI

Recado importante para profissionais da área de TI que reivindicam pontos por experiência profissional.

O estado de NSW só concede pontos para experiência profissional após a data em que a Australian Computer Society (ACS) determinou que você atingiu o nível de habilidade exigido em sua ocupação.
A ACS possui critérios específicos em que o aplicante deve apresentar um tempo determinado de experiência profissional dependendo da equivalência da sua qualificação.
Se você reivindicou pontos por experiência profissional em sua Expression of Interest – SkillSelect (EOI), você deve ser capaz de apresentar um skills assessment que identifica a data em que seu emprego é considerado equivalente a um nível de qualificação apropriado.
Se o seu skills assessment não identificar esta data, você não poderá reivindicar pontos por experiência profissional no estado de NSW. A experiência de trabalho em TI necessária para atender aos critérios da ACS NÃO está inclusa como “Emprego qualificado” e NÃO é elegível para pontos.
Se você já tiver um skills assessment positivo, que avaliou sua experiência profissional, você não precisa obter uma nova avaliação para demonstrar que seu emprego ocorreu após ter recebido sua avaliação.
Você pode demonstrar sua experiência com evidências como; sua carta de oferta, contrato de trabalho, recibos de salário e carta de referência de emprego detalhando a duração de seu emprego, as horas trabalhadas por semana e as funções desempenhadas.

Acreditamos que o estado de NSW enviou essa newsletter pois muitos aplicantes ficam confusos sobre como demonstrar a experiência profissional e acabam contando a experiência profissional imediatamente após a conclusão da qualificação, como acontece em outras profissões.
Cada ocupação possui um critério específico e a equivalência da qualificação do aplicante (Bachelor ou Diploma diretamente relacionado ou não a área de TI) faz toda diferença no processo do skills assessment junto ao ACS.

Fonte: NSW Business and Skilled Migration